Sermões


Sermões de Vitorino de Sousa aos peixes

4 – Às Fanecas

3 – Aos Bodiões

2 – Às Sardinhas

1 – Aos Carapaus


 

A minha mais sentida homenagem ao genial padre António Vieira que escreveu o

Sermão de Santo António aos Peixes

Este sermão foi pregado em S. Luís do Maranhão, no Brasil, no dia 13 de Junho (dia de Santo António no calendário litúrgico) de 1654 — na sequência dos litígios que surgiram entre os colonos brasileiros e os Jesuítas (ordem religiosa a que pertencia Vieira), que contestavam a escravidão dos povos indígenas. Três dias depois da pregação, António Vieira embarcou ocultamente para Lisboa, para tentar obter, junto do rei D. João IV, as leis que garantissem os direitos básicos aos índios brasileiros,  protegendo-os da exploração dos colonos brancos. Vieira conseguiu atingir os seus objectivos, a contragosto dos colonos que assim perdiam parte da sua mão-de-obra barata, que  exploravam impiedosamente. O Sermão de Santo António aos Peixes constitui um documento da surpreendente imaginação, habilidade oratória e poder satírico, que toma vários peixes como símbolos de algumas virtudes humanas e, principalmente, dos vícios daqueles colonos, que são censurados com severidade.